28/01/2016

Sabe qual é a diferença entre LIMS e LIS?

No passado, os sistemas de informação de gestão laboratorial orientados à área da saúde (LIS) e os tradicionais LIMS eram considerados sistemas distintos.
Inclusivé eram representados internacionalmente por diferentes siglas: LIS e LIMS respetivamente.

LIMS: Laboratory Information Management System
LIS: Laboratory Information System


LIMS: do passado ao presente
Não faz muito tempo que os sistemas LIMS eram apenas usados para gerir o processo de gestão de amostras e, usualmente, orientados para a gestão de laboratórios analíticos.
Algumas das características funcionais mais conhecidas passavam pela capacidade de rastrear amostras, ensaios, resultados e cálculos associados.
Existiam, porém, alguns sistemas mais avançados que permitiam a obtenção dos dados diretamente dos equipamentos analíticos e softwares de instrumentos analíticos.
Hoje em dia, estas características funcionais são apresentadas como características mínimas já disponibilizadas pela maioria dos sistemas LIMS.
Além disso, já existem atualmente sistemas LIMS que fazem muito mais do que meramente gerir amostras, ensaios e resultados. Adicionalmente, alguns sistemas LIMS já possuem características funcionais LIS.

Exemplos específicos
Exemplo disso é o DigitalLabs que já possui funcionalidades complementares de gestão tais como controlo de qualidade técnico, módulos de estabilidade, gestão de calibrações e gestão da qualidade, entre outros e com a capacidade de obter dados de uma variedade de fontes que não apenas de equipamentos analíticos.

LIS: do passado ao presente
Os sistemas LIS originais surgiram com a intenção de seren apenas sistemas de gestão da área clínica, ou seja, orientados ao diagnóstico clínico e ao paciente, mas deixando de fora a gestão dos ensaios/exames clínicos realizados.
Atualmente, muitos dos sistemas LIS evoluiram de forma a oferecerem características funcionais de gestão de dados do paciente tais como resultados dos ensaios/exames assim como a definição de workflows do processo clínico.


Funcionalidades Transversais
Atualmente, os sistemas LIS já incorporam melhorias que apenas eram disponibilizadas pelos sistemas LIMS.
De forma a poder responder às necessidades de mercado, tantos os sistemas LIMS como os sistemas LIS começaram a deixar de estar totalmente distinguidos. 
Questões Normativas
A privacidade e a proteção de dados são das mais importantes condições que estes sistemas devem garantir.
Quer seja considerado um sistema LIS ou LIMS, os softwares devem estar de acordo com as regulamentações impostas por diferentes entidades no mundo:
•    United States’ HIPAA
(Healthcare Insurance Portability and Acountability Act)
•    Canada’s PIPEDA
(Personal Information Protection and Electronic Documents Act)
•    Europe’s ECHR
(European Convention on Human Rights)

Também é recomendado, internacionalmente, que os sistemas LIS e LIMS, que sejam utilizados por entidades da área da saúde, garantam o cumprimento da condição HL7 (Health Level – 7 – 9 framework data exchange).

No entanto, também existem outras regulamentações que não têm, necessariamente, que cumprir com as especificidades da área clínica ou da saúde:
•    United States GLP
(Good Laboratory Practice)
•    21 CFR Par 11
(US Food ad Drug Administration´s Compliance rules for electonic records)

A Aplicabilidade do DigitalLabs: LIMS ou LIS?


A abordagem da Ambidata® a esta questão é simples; o DigitalLabs tem funcionalidades nativas que permitem suportar workflows de laboratórios clínicos, interface com equipamentos, gestão de amostras, alíquotagem, entre outras.
A arquitetura do sistema permite a gestão de características dos pacientes ao mesmo tempo que mantém todas as capacidades de rastreabilidade de informação e gestão de amostras.

Com uma infraestrutura modular, quer permite que o sistema se torne flexivel, o DigitalLabs já é utilzado em laboratórios de hospitais, laboratórios de referência na área da saúde, laboratórios de saúde pública, laboratórios de criopreservação e biobanco, entre outras áreas distintas.

Estas características advêm do facto da Ambidata® ser focada num produto específico (gestão de laboratórios) sobre o qual são desenvolvidas funcionalidades e módulos para ir de encontro às necessidades dos Clientes e com uma abrangência para o que o mercado necessita, independentemente da área de negócio, tendo também em atenção o cumprimento da regulamentação dos diversos setores e as suas necessidades funcionais, usando o produto como se se tratasse de um puzzle, em que com todas as peças juntas cria uma solução ideal. 
 








Diana Ribeiro
Sales & Marketing Manager  

Ambidata 2016


 








28/01/2016

LRV - Laboratório Regional de Veterinária, Governo dos Açores, implementa o DigitalLabs!

 

LRV - Laboratório Regional de Veterinária, Governo dos Açores, implementa o DigitalLabs!
Esta semana dois consultores da Ambidata®, deslocaram-se aos Açores, para dar início à implementação do DigitalLabs, no LRV.

O Laboratório Regional de Veterinária (LRV) é uma divisão da Direção de Serviços de Veterinária, da Direção Regional da Agricultura, da Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente, ao qual incube a execução laboratorial da política sanitária regional.
Possui na sua dependência, na ilha de São Miguel, um núcleo de serviços, sem ensaios acreditados.

O Laboratório Regional de Veterinária desenvolve as suas atividades em três linhas orientadoras básicas:
.    Cumprimento da legislação relativa aos planos obrigatórios de erradicação de doenças;
.    Cumprimento da legislação relativa aos planos obrigatórios de vigilância e manutenção do estatuto sanitário dos animais e dos efetivos da Região e cumprimento da legislação relativa à saúde pública humana;
.Serviços de Diagnóstico.; Sanidade Animal e Higiene Publica Veterinária
Ambidata 2016